Category: Abertura de Empresa

Declaração de Renda 2018 começa dia 01 de março

Quem recebeu mais de R$ 28.559,70 em 2017, precisa fazer a declaração do Imposto de Renda até dia 30 de Abril

Nesta quinta, dia 01 de março, começa a entrega da declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física. A Secretaria da Receita Federal informou que a declaração pode ser feita até dia 30 de abril.

Esse ano, dependentes com 08 anos ou mais precisam ter inscrição no CPF e esse número ser informado na declaração. Outra novidade é para quem tem guarda compartilhada, o filho só poderá ser considerado dependente de um dos pais.

 

Quem precisa declarar o Imposto de Renda?

 

A declaração é feita pelos ocorridos no ano-base de 2017, levando em consideração ganhos e atividades até dia 31 de dezembro. Precisa fazer a declaração:

  • Quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70, o equivalente a R$ 1.903,98 mensais;
  • Quem recebeu rendimentos não-tributáveis superiores a 40 mil;
  • Quem passou a residir no Brasil em qualquer mês do ano e ainda estava morando no país no dia 31 de dezembro;
  • Quem tinha bens ou direitos com o valor acima de 300 mil;
  • Quem teve, na atividade rural, receita bruta maior que R$142.798,50;
  • Quem, em qualquer mês do ano, teve ganho de capital, sujeito à incidência de impostos, na alienação de bens e direitos;
  • Quem realizou operações em bolsa de valores e semelhantes.  

 

Preciso de quais documentos para fazer a declaração do Imposto de renda?

 

Para fazer a declaração do Imposto de Renda é necessário reunir informações e documentos antecipadamente, para evitar erros ou atrasos na entrega. Além da cópia da declaração do ano anterior, são necessários notas fiscais, boletos pagos ou recibos referentes a seguintes atividades:

  • Serviços médicos e odontológicos;
  • Transações patrimoniais;
  • Despesas com educação;
  • Aluguel;
  • Em caso de ter empregados domésticos com carteira assinada, comprovantes de contribuição previdenciária.

 

Como fazer a declaração do Imposto de Renda?

 

O programa gerador da declaração do Imposto de Renda 2018 já está disponível para download. A declaração também pode ser feita da forma simplificada, sem as deduções permitidas com saúde e educação, por exemplo.

É recomendado que o contribuinte tenha o auxílio de um profissional habilitado para fazer a entrega da declaração. Também é necessário ficar atento aos prazos, quem enviar a declaração no início, sem erros ou inconsistências, se tiver direito à restituição, têm mais chances de recebê-la primeiro.   

 

E se perder o prazo?

 

Quem perder o prazo para enviar a declaração, deverá fazê-la com atraso com a incidência de uma multa, com o valor mínimo de R$165,74. A Receita cobra juros de 1% ao mês, mas com o limite de 20% sobre o total de imposto devido em 2017.

Entregar a declaração dentro do prazo também permite ao contribuinte, que constatar algum erro, fazer a entrega de uma declaração retificadora, sem pagar multas.  

Lucro Real e suas vantagens: créditos de PIS e COFINS

No Lucro Real a forma de apuração de PIS e COFINS é pelo regime não-cumulativo

 

Uma das principais características do Lucro Real é a apuração de PIS e COFINS, feita pela forma não-cumulativa, o que permite que a empresa tenha créditos em determinadas despesas e custos.

Nesse sistema, as alíquotas são diferentes das trabalhadas na forma cumulativa de apuração, praticada nos outros regimes tributários. Nesse caso, as alíquotas sobre a receita bruta são:

 

  • PIS: 1,65%
  • COFINS: 7,6%

 

Créditos admissíveis na apuração

 

No artigo as 5 vantagens do Lucro Real que você precisa conhecer, a apuração de PIS e COFINS pela modalidade não-cumulativa foi apontada como uma das vantagens do Lucro Real, por permitir créditos nas operações.

São permitidos créditos a bens e serviços adquiridos de outra pessoa jurídica, assim como custos e despesas pagos a outras empresas do país, entre outras despesas relacionadas a operação da empresa. São admissíveis créditos:

 

  • Bens ou serviços utilizados como insumos, seja para a produção de um produto destinado a venda ou para a prestação de serviço; 
  • Bens adquiridos para revenda;
  • Energia elétrica;
  • Aluguéis de prédios, equipamentos e máquinas pagos para pessoa jurídica;  
  • Fretes e armazenamento na operação de venda;
  • Depreciação de bens e benfeitorias em edificações próprias ;
  • Devoluções de vendas;
  • Peças e serviços de manutenção;
  • Vale-transporte, alimentação e uniformes dos colaboradores.

O cálculo do PIS e COFINS pela modalidade não-cumulativa, é feito com as alíquotas pré-determinadas sobre a receita bruta total e após são abatidos os créditos permitidos por lei, referente às operações da empresa no mês, no valor a ser pago de imposto.

 

Faça uma análise tributária

 

Ao fazer uma análise comparativa dos regimes tributários, é essencial levar em consideração os créditos de PIS e COFINS que a sua empresa pode ter.

Apesar das alíquotas serem maiores do que na modalidade cumulativa, os créditos permitidos nas despesas e custos das operações, podem fazer com que essa modalidade seja mais vantajosa para a sua empresa.

 

[button link=”#http://www.gsibrasil.net/blog/” color=”orange” newwindow=”yes”] Leia nosso eBook sobre o Lucro Real[/button]

 

Como abrir uma loja virtual?

Saiba o que é preciso para abrir um e-commerce

Os hábitos de compra mudaram e com isso o comércio eletrônico cresceu. Segundo a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, só no primeiro semestre de 2017, as lojas virtuais no Brasil faturaram 21 bilhões de reais, o equivalente a 7,5% a mais que o mesmo período que o ano anterior.

 

Uma loja virtual tem algumas vantagens, como:

  • Atingir um maior número de pessoas;
  • Baixo custo operacional;
  • Funcionamento 24 horas por dia;
  • Relatórios das ações do cliente dentro da loja;
  • Remarketing – aparecendo nas redes para o potencial consumidor;
  • Entre outras.

 

O que é preciso para abrir uma loja virtual?

 

O processo de abertura de uma loja online é semelhante ao de uma loja física. Inclusive, será necessário ter um endereço físico para funcionamento, alvarás dos órgãos competentes, registro na Junta Comercial do Estado, na Receita Federal e na Secretaria da Fazenda.

 

Estabeleça o local para o funcionamento

 

Se você deseja abrir uma empresa de e-commerce, é necessário estabelecer um endereço físico para o funcionamento do seu comércio online. Nesse local que acontecerá a operação de seu escritório e/ou estoque.

 

Também é necessário verificar se no endereço pretendido é permitido exercer a sua atividade e quais são os critérios de concessão de Alvará de Funcionamento.

 

Registre o sua loja virtual

 

Alguns registros precisam ser feitos para o seu e-commerce poder começar a funcionar. É necessário elaborar o Contrato Social e efetuar o registro da sua empresa na Junta Comercial para obter o seu CNPJ.

 

Além disso, é  preciso obter outros registros e alvarás pertinentes a atividade da empresa.  Para saber mais sobre o processo de abertura de sua loja virtual, leia em nosso blog os passos para abrir uma empresa.

 

Abra a sua loja virtual

 

Há muitos detalhes operacionais de sua empresa que você precisa definir antes de começar a vender em sua loja online, como: a plataforma que abrigará o seu site, a forma que receberá os pagamentos, a segurança de sua loja virtual, a divulgação, a logística e o frete que vai trabalhar.

 

E com o crescimento da comercialização online, surgiram Leis e Normas para regulamentar a prática que você precisa conhecer antes de começar as suas operações. Mas o processo de abertura de uma loja virtual é semelhante ao de uma loja física. Procure uma Contabilidade com experiência para fazer a abertura de sua empresa.

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/” newwindow=”yes”] Abra a sua empresa com a GSi [/button]

Como reduzir a carga tributária?

O Planejamento Tributário permite que a empresa diminua os encargos

 

Produzir, divulgar, vender e entregar o produto ou serviço dentro do prazo para o cliente. Além de todas essas questões, o empresário também deve se atentar ao planejamento tributário de sua empresa, já que em torno de 30% do faturamento é destinado ao pagamento de tributos.

Se conversarmos com empresários brasileiros de diversos ramos, um questionamento vai surgir por inúmeras vezes: como a minha empresa pode pagar menos impostos?

E isso é possível! A diminuição da carga tributária é feita por procedimentos legais, dentro do Planejamento Tributário, que tem como objetivo a gestão de pagamento de tributos e a diminuição de gastos com impostos.

Essa ferramenta abrange desde a opção pelo regime tributário mais adequado para a empresa até procedimentos que impeçam a ocorrência de tributos.

Qual regime tributário escolher?

 

Não existe uma receita ou uma regra geral para optar por um regime tributário. Como destacamos no artigo “Regimes tributários: qual o mais adequado para a sua empresa?”, optar por um regime tomando como base uma instituição que exerce as mesmas atividades pode ser um equívoco.

A sua empresa pode exercer a mesma atividade que outra, mas ter uma movimentação totalmente diferente. Por isso, é necessário uma análise tributária levando em consideração os seus resultados.

Quais ações podem diminuir a carga tributária?

 

Há alguns procedimentos que podem ser feitos para reduzir a carga tributária. As ações são para evitar a incidência de impostos, diminuir o valor a ser pago em tributos ou postergar o pagamento deles sem ter a incidência de multas.

Entre essas ações, está o aproveitamento de redução de alíquotas em políticas de incentivo, a substituição da maior parte do pró-labore pela distribuição de lucro, mudança da data de faturamento de alguns clientes, entre outras. Todos esses procedimentos são feitos sempre dentro do que é permitido por Lei.  

Como faço o Planejamento Tributário de minha empresa?

 

Como destacamos em alguns pontos do texto, o Planejamento Tributário auxilia na diminuição de encargos seguindo rigorosamente as Leis. Então, para fazer um Planejamento Tributário e colocá-lo em prática, é necessário ter um amplo conhecimento da legislação.

É fundamental a ajuda de um escritório contábil de confiança, que trabalhe respeitando a legislação e em busca da rentabilidade de seus clientes.

A GSi Contabilidade

 

A GSi, com cerca de 30 anos no mercado, trabalha sempre em busca da rentabilidade e do crescimento saudável e contínuo de seus clientes. Com profissionais altamente capacitados, a GSi desenvolveu a reputação de líder em contabilidade e consultoria.

Além de toda a experiência, a GSi possui formação jurídica, que permite desenvolver e administrar projetos diferenciados.

Saiba como abrir uma empresa em Vinhedo

Fonte da imagem: Site da Prefeitura de Vinhedo

 

Você sabia que em 2017 mais de 700 empresas foram abertas em Vinhedo? Um número significativo para uma cidade com cerca de 73 mil habitantes. O fato é que a cidade, que fica na região metropolitana de Campinas, tem o comércio e prestação de serviços fortalecidos.

 

Com índices elevados, como o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano)  e o PIB (Produto Interno Bruto), Vinhedo foi eleita em 2016, como a cidade brasileira com até 100 mil habitantes com melhor infraestrutura.

 

Vinhedo, que é conhecida por seus condomínios e empresas multinacionais, fica a 75 quilômetros da cidade de São Paulo e está no ranking entre as 10 cidades brasileiras com maior renda domiciliar. Com todos esses dados positivos, Vinhedo é uma ótima cidade para abrir uma empresa.

Abrindo uma empresa em Vinhedo

 

O tempo médio para abertura de uma empresa no Brasil é de 117 dias para ter todos os registros, segundo a Endeavor. Em vinhedo, esse tempo cai consideravelmente, de 7 a 10 dias úteis, se não houver nenhuma exigência.

 

Para o processo de abertura ocorrer da forma mais rápida, fácil e segura é essencial o auxílio de um escritório contábil com experiência.

 

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/”] Abra a sua empresa com a GSi[/button]

O que preciso definir antes de abrir uma empresa em Vinhedo?

 

Além de todo o planejamento e estudo que deve ser feito antes de abrir uma empresa, há itens que você precisa se atentar. Como destacamos no post “O que você precisa definir antes de abrir sua empresa”, é necessário definir o tipo de empresa, se ela será individual ou sociedade, também é necessário definir o Capital Social dela.

 

Abrir empresa em Vinhedo

 

Na cidade de Vinhedo é necessário fazer a Análise Prévia da Viabilidade de Localização para abrir uma empresa. Para isso, só precisa informar para o escritório de contabilidade, o número do IPTU do local que deseja instalar a sua empresa. Com ele é possível realizar a análise do local e verificar se sua atividade é permitida no imóvel escolhido.

 

Além dessa análise, há outras licenças, inscrições e registros que a sua empresa precisa obter. Os passos para abrir uma empresa são:

 

  • Viabilidade;
  • Registro legal;
  • Obtenção do CNPJ;
  • Inscrição Estadual e Registro Municipal;
  • Alvarás;
  • Cadastro na Previdência Social;
  • Aparato Fiscal.

 

Após esses passos, a sua empresa está pronta para iniciar as operações. Se você quiser saber mais sobre cada etapa do processo de abertura de uma empresa, leia o nosso Guia Completo para abrir sua empresa.  

 

Gostaria de abrir uma empresa em Vinhedo com a GSi Contabilidade?

 

A GSi Contabilidade trabalha há cerca de 30 anos atendendo empresas de Vinhedo e região. Tendo sempre o objetivo de rentabilidade e crescimento saudável e contínuo de seus clientes, desde a abertura.

 

Possui um setor especializado em abrir empresas, o que faz que todo o processo aconteça de forma rápida e segura. E o melhor, você conta com o auxílio de profissionais altamente capacitados.

 

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/” newwindow=”yes”] Abra a sua empresa com a GSi[/button]

Empresas optantes do Simples Nacional poderão aderir ao Refis

Micro e pequenas empresas optantes do Simples Nacional podem aderir ao refinanciamento de dívidas  

 

Na segunda-feira, dia 9, foi publicada a Lei que permite às micro e pequenas empresas, optantes do Simples Nacional, aderirem ao refinanciamento de dívidas tributárias, o PERT-SN –  Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional.

 

As empresas têm até 90 dias, após a publicação da Lei, para aderirem ao programa que permite refinanciar impostos vencidos até Novembro de 2017. Para fazer a adesão, as empresas deverão pagar 5% do total devido, em até 5 vezes, com correção de 1% e acréscimo de Taxa Selic.

 

O restante do valor devido terá redução de acordo com a forma de pagamento que a empresa optar:

 

  • Até 175 meses: redução de 50% das multas e 50% dos juros de mora;
  • Até 145 meses: redução de 50% das multas e 80% dos juros de mora;
  • Pagamento integral: redução de 70% das multas e 90% dos juros de mora.

 

A parcela mensal terá o valor mínimo de R$300,00. Já para o MEI – Microempreendedor individual – o valor mínimo da parcela será definido pelo Comitê Gestor do Simples Nacional.  

 

Segundo cálculos do Sebrae, em torno de 600 mil empresas optantes do Simples Nacional serão beneficiadas pelo programa. E, ao todo, devem 21 bilhões em impostos.

3 empresas para abrir esse ano

Saiba quais empresas estão em alta em 2018 para abrir e ter sucesso

Dados recentes demonstram uma retomada na economia brasileira. Com isso, a população volta a praticar hábitos de consumo que estavam estacionados com a crise e também cria novos costumes aprendidos em época de recessão.

O fato é que uma crise traz aprendizados ligados a formas de economizar, reaproveitar o que já tem e usar a tecnologia para facilitar ações, reduzir custos ou até criar uma forma de renda. E quando começa uma retomada, as pessoas voltam a consumir produtos ligados a saúde, bem-estar, hobbies e alimentação.

Nesse momento, algumas atividades ligadas a esses comportamentos ficam aquecidas no mercado. Saiba quais são as empresas em alta para abrir esse ano:

 

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/” newwindow=”yes”] Guia completo para abrir sua empresa[/button]

 

1 – Alimentação saudável

 

Produtos orgânicos, sem glúten, sem lactose, veganos e dietéticos. O mercado voltado para a alimentação saudável e para as restrições alimentares está crescendo cada vez mais.

Quem possui restrições alimentares sempre encontrou dificuldades para achar produtos que possa consumir nas prateleiras dos supermercados. Com isso, surgiu a oportunidade de criação de lojas especializadas.

Ao mesmo tempo, as pessoas começaram a ter uma consciência maior do que estão consumindo e a procurar alternativas mais saudáveis. Agregando mais um público a esses novos empreendimentos.

Mesmo com o crescimento de lojas voltadas para a alimentação saudável nos últimos anos, ainda há um vasto mercado a se explorar. Quem procura por esses produtos específicos sente escassez de produtos e estabelecimentos.

 Saúde, beleza e bem-estar em alta  

 

Assim como as lojas de alimentos saudáveis, outros negócios que englobam a saúde, beleza e bem-estar também estão em expansão, como:

  • Academias, estúdios de treinamento funcional, crossfit e esportes em geral;
  • Clinicas de procedimentos estéticos, como depilação, massagens modeladoras, tratamentos a laser, entre outros;
  • Design de sobrancelhas e maquiagem;
  • Cosméticos em geral.

2 – Espaços de Coworking

 

Um negócio que surgiu com a crise e que está em crescimento contínuo são os espaços de Coworking, os escritórios compartilhados.

O Coworking passou a ser uma opção para quem já tinha empresa e encontrou dificuldades financeiras para se manter. E também foi a solução para quem buscou abrir uma nova empresa, mas precisava de um espaço.

Esses espaços surgiram nos grandes centros e estão crescendo por todo o país. Conforme essa opção vai se tornando conhecida, a procura por ela só aumenta..

O que se aprende com a crise e fica após ela?

 

O Coworking surge e cresce em meio a crise com o conceito de economia compartilhada, onde o dividir tem grande força.

Além do dividir, o reutilizar também ganha potência entre as dificuldades financeiras e novas oportunidades surgem, como:

  • Brechós: seja físico ou online, os brechós a cada ano ganham mais força. Hoje é possível encontrar brechós de roupas, móveis e até livros;
  • Reformas e consertos: esse setor teve um progresso e ganha cada vez mais espaço.

A economia aliada a busca pelo sustentável, devido a uma conscientização maior da população, faz com que novas possibilidades de negócio apareçam. Nesse momento, procurasse a viabilidade de reutilizar o antigo antes de adquirir o novo.

3 – Tecnologia

 

A tecnologia faz parte do nosso dia-a-dia, seja no trabalho ou nas horas de lazer. Atualmente, empresas ligadas a tecnologia ganham destaque. São tendências:

  • Drones: utilizados pelo agronegócio, industrias, cinegrafistas e outros prestadores de serviço, o drone ganhou mercado tanto no uso profissional quanto para quem o adquire para a diversão;

 

  • Aplicativos: na era dos smartphones, os aplicativos se tornaram essenciais. Bancos, jogos, ferramentas de trabalho e de comunicação, canais de notícias, viagens e muitas outras coisas estão nos aplicativos. Empresas que desenvolvem aplicativos tendem a crescer em um mercado sedente da facilidade dessas ferramentas;

 

  • Impressão 3D: há muitos anos ouvimos falar da impressão 3D, que parecia uma realidade muito distante. Hoje já é possível identificar um desenvolvimento de empresas do ramo, que trazem soluções inovadoras para o seu público.

 

O mercado tecnológico cresce, pois as pessoas cada vez mais estão em busca de facilidade nas questões rotineiras. Nessa mesma situação, há um vasto campo para os prestadores de serviços.

Vai abrir o seu negócio?

Se a empresa que deseja abrir consta nessa lista, você já viu que está em um bom caminho. Se não está listada, não desanime! Há muitas outras áreas que estão em ascensão.

O sucesso de uma empresa depende muito do planejamento feito antes de sua abertura. Planejar e conhecer o mercado que irá atuar é essencial.

E pensando em você que deseja abrir a sua própria empresa, separamos 3 conteúdos que irão te ajudar nesse caminho:

  1. Dicas para ter a sua própria empresa  
  2. O que você precisa definir antes de abrir sua empresa
  3. Passos para abrir uma empresa

É fundamental conhecer bem o local que vai abrir a sua empresa e identificar todos os fatores que podem influenciar a rentabilidade dela. Além do local físico, é primordial definir como a empresa se apresentará online. Com uma boa pesquisa, um plano de negócios bem elaborado e o apoio de profissionais experientes, a abertura de sua empresa será mais fácil e rápida, no caminho da rentabilidade e do crescimento dela.

 

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/”] Abra a sua empresa com a GSi[/button]

EFD-Reinf: entrega de informações começa dia 1° de maio

Mais um módulo do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, o EFD-Reinf (Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais) começa a ser implantado a partir de Maio de 2018.

 

A implantação segue o seguinte cronograma:

  • Maio de 2018: empresas que faturaram mais de 78 milhões em 2016;
  • Novembro de 2018: empresas que faturaram menos de 78 milhões em 2016;
  • Maio de 2019: órgãos públicos.

 

O eSocial – Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas – é complementado com o EFD-Reinf, com a escrituração de retenções de imposto de Renda, rendimentos pagos, Contribuição Social do contribuinte que não seja relacionada ao trabalho e informações da receita bruta para a apuração das contribuições previdenciárias.

 

O EFD-Reinf substituirá o EFD-Contribuições, módulo responsável pela apuração da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta. E em conjunto com o eSocial possibilita a substituição de obrigações como a GFIP, DIRF, RAIS e CAGED.

 

Nele são reunidas informações associadas:

  • aos serviços tomados/prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada;
  • às retenções na fonte (IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP) incidentes sobre os pagamentos diversos efetuados a pessoas físicas e jurídicas;
  • aos recursos recebidos por / repassados para associação desportiva que mantenha equipe de futebol profissional;
  • à comercialização da produção e à apuração da contribuição previdenciária substituída pelas agroindústrias e demais produtores rurais pessoa jurídica;
  • às empresas que se sujeitam à CPRB (cf. Lei 12.546/2011);
  • às entidades promotoras de evento que envolva associação desportiva que mantenha clube de futebol profissional.

 

Periodicidade do envio

A transmissão deve ser feita mensalmente, até o dia 15 do mês subsequente ao qual se refere a escrituração.

Bloco K: 6 coisas que você precisa saber

O Sistema Público de Escrituração Digital, conhecido como SPED, desde 2007 faz com que a área fiscal e contábil das empresas e dos escritórios de contabilidade se adaptem aos novos processos.

Como parte da EFD, o Bloco K, surge como versão digital do Livro de Controle de Produção e Estoque.

 

1. O que é o Bloco K?

 

Como dito anteriormente, o Bloco K é a versão digital do Livro de Controle de Produção e Estoque. Mensalmente serão prestadas informações, via arquivo EFD, sobre a produção e o consumo de insumos.

 

2. O Bloco K é obrigatório para quais estabelecimentos?

 

O Bloco K é obrigatoriedade para estabelecimentos industriais ou, para aqueles que pela legislação federal, são equiparados a indústria e estabelecimentos atacadistas.

 

3. Quais são as informações necessárias?

 

Todos os meses será necessário prestar as seguintes informações:

  • A quantidade produzida;
  • A quantidade de materiais que foi consumida;
  • A quantidade que foi produzida em terceiros;
  • A quantidade de materiais consumida na produção em terceiros;
  • As movimentações internas de estoque que não estejam diretamente relacionadas à produção;
  • Os materiais de propriedade da empresa e em seu poder;
  • Os materiais de propriedade da empresa e em poder de terceiros;
  • Os materiais de propriedade de terceiros em poder da empresa;
  • A lista de materiais de todos os produtos que são fabricados na produção própria e em terceiros.

 

4. Qual é o cronograma de implantação?

 

  • 1 de janeiro de 2018: estabelecimentos industriais com faturamento anual de 78 milhões ou mais, com CNAE de 10 a 32;
  • 1 de janeiro de 2019: demais estabelecimentos industriais com o CNAE de 462 a 469.

 

5. Qual o objetivo do Bloco K?

 

O Bloco K surge com o objetivo de diminuir a sonegação fiscal através de uma fiscalização mais rigorosa da empresa e de seus processos.

 

6. E se não cumprir a obrigação?

 

Se não cumprir as obrigações referentes ao Bloco k, a empresa fica propensa a incidência de multas. São elas:

 

  • Atraso na entrega: Para as empresas do Simples Nacional, 1% do valor do estoque com o acréscimo de 500 reais. Para as empresas dos outros regimes, o acréscimo é de 1.500 reais;
  • Informações incorretas: 3% sobre as obrigações comerciais;
  • Recolher valor menor ou não recolher: multa de 100% do valor devido e o risco de ser atuado por sonegação de impostos.

Passos para abrir uma empresa

Ter um negócio próprio é o sonho de muitos brasileiros. Mas você sabe o que é necessário para abrir uma empresa? Há um longo caminho até ter um CNPJ! Nesse artigo você vai saber tudo o que precisa para empreender e ter uma empresa.