Category: Abertura de Empresa

A sua empresa está preparada para o eSocial?

Com 50% dos empregados cadastrados, o eSocial provoca mudanças na rotina das empresas 

 

Empresas optantes pelo Simples Nacional têm até dia 09 de abril de 2019 para se cadastrar ao Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas  – eSocial.

Essas empresas pertencem ao Grupo 3 da Implantação, que foi dividida em 4 grupos e faseada em 5 etapas. Os grupos anteriores já estão cumprindo a terceira fase da implantação, enviando eventos periódicos ao sistema.

Imagem oficial – Divulgada no portal do eSocial

Com toda a implantação em andamento, cerca de 50% dos trabalhadores brasileiros estão cadastrados no eSocial. A estimativa era que 70% do empregados estivessem cadastrados no sistema a essa altura.

O fato é que o eSocial muda a rotina tanto dos profissionais de RH quanto das empresas brasileiras de forma geral. Alguns processos ligados a informações pertinentes aos colaboradores precisam ser modificados.

Veja alguns exemplos:

  • Admissão : As admissões devem ser informadas até o dia anterior a contratação dos funcionários.
  • Demissão: Em caso de desligamento com aviso prévio indenizado, a empresa tem até 10 dias após a rescisão para informar. Já quando o aviso prévio cumprido pelo empregado, a informação deve ser feita até um dia após a ocorrência.
  • Alterações salariais: devem ser informadas até o dia posterior a ocorrência e antes do envio de dados seguintes da remuneração do trabalhador.
  • Jornada de trabalho: deve ser cadastrada juntamente com a função e salário do empregado. Qualquer alteração deve ser informada no momento da ocorrência;

Além disso, há outras obrigatoriedades e algumas delas chegam até aos trabalhadores. Por exemplo, todos dependentes dos colaboradores devem ter o CPF cadastrado no sistema. Para isso, é necessário que eles providenciem o documento e informe para a empresa.

Se as obrigatoriedades não forem cumpridas?

O não cumprimento dos prazos e obrigatoriedades acarretará multas para a empresa. As penalidades variam de acordo com a cada ocorrência e, na maior parte das vezes, pode dobrar o valor em caso de reincidência.

Como adequar a minha rotina ao eSocial?

 

O eSocial unifica obrigações e cruza informações. Com isso, é necessário adequar a rotina para evitar perder prazos. Para isso, é essencial:

 

  • tenha uma comunicação ativa entre empresa e os responsáveis pelo Departamento  Pessoal, seja ele interno ou terceirizado;
  • replique a comunicação para os seus colaboradores, eles também precisam ter prazos para providenciar documentos e informações;
  • crie processos da admissão até a demissão com base nos novos prazos;
  • esteja com os seus processos sempre um passo à frente do faseamento da implantação.  

 

Assim a sua empresa empresa vai cumprir todos os processos de acordo com a obrigatoriedade e com maior segurança.

Conheça o eSocial

O eSocial foi instituído com o Decreto 8.373/14. O sistema traz uma nova forma, unificada, de apresentar informações Trabalhistas, Fiscais e Previdenciárias.  Ao todo, são mais de 40 tipos de arquivos com informações detalhadas que unificam 15 obrigações, são elas:

 

  • GFIP – Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social;
  • CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para controlar as admissões e demissões de empregados sob o regime da CLT;
  • RAIS – Relação Anual de Informações Sociais;
  • LRE – Livro de Registro de Empregados;
  • CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho;
  • CD – Comunicação de Dispensa;
  • CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social;
  • PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário;
  • DIRF – Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte;
  • DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais;
  • QHT – Quadro de Horário de Trabalho;
  • MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais;
  • Folha de pagamento;
  • GRF – Guia de Recolhimento do FGTS;
  • GPS – Guia da Previdência Social.

 

 

Qual é a melhor contabilidade para a sua empresa?

Tradicional, online ou digital: entenda o que é e como cada contabilidade pode atender 
e ajudar a sua empresa

Se você entrar no Google e fizer uma busca do termo contabilidade, muito provável que encontrará ele ligado a outras expressões, como: tradicional, digital e online. Os termos apresentados, são relativamente novos e representam as modalidades em que a contabilidade é praticada no mercado brasileiro.

Cada um deles é marcado por um tipo de atendimento ou forma em que o serviço é prestado. Qual é o ideal? Depende das necessidades da sua empresa e a forma que estão habituados e dispostos a trabalhar.

Conheça as características de cada modalidade e o que as diferenciam.

 

  Tradicional Online Digital
Coleta de informações Importação de XMLs, malotes de documentos Alimentação do portal pela própria empresa Integração entre sistemas
Atendimento Personalizado por diversos canais Padronizado por canais limitados Personalizado por diversos canais
Atividades Coleta de documentos, digitação e escrituração Alimentação do sistema com informações e automatização Integração entre sistemas e consultoria

 


Contabilidade Tradicional

 

A contabilidade tradicional é a modalidade mais conhecida. Separa os documentos, envia o malote para o contador, que digita, escritura e depois de algum tempo ele retorna com as guias de impostos e com os relatórios.

A grande vantagem da contabilidade tradicional é que a sua empresa recebe um serviço personalizado, com o atendimento voltado para as particularidades da sua instituição. Já o ponto negativo é que as informações precisam ser digitadas, o que aumenta a possibilidade de erros e também faz com que os relatórios demorem para chegar até você.

Essa modalidade tradicional é ideal para grandes empresas, que demandam um serviço que supra as suas particularidades. E empresas desse porte também possuem colaboradores destinados ao relacionamento com o escritório contábil. Mas também atende muito bem os outros portes de empresa.

Contabilidade online

 

A contabilidade online é uma novidade para muitas pessoas. Todo o trabalho, desde a emissão da Nota Fiscal até os relatórios de faturamento, é feito através de uma plataforma na internet.

A plataforma é alimentada com todas as informações contábeis e fiscais de sua empresa. Com isso, automaticamente, são gerados relatórios e guias. Essa modalidade ficou conhecida como “Self-service”, pois você mesmo faz todo o trabalho.

Dessa forma totalmente online, o atendimento geralmente é feito apenas por tickets e/ou chats, o que faz com que seja atendido rapidamente, porém de forma padronizada.

A rapidez em fazer e conseguir relatórios e documentos é um ponto positivo da contabilidade online. Mas em contrapartida, o trabalho é limitado ao extremamente básico, não atendendo as particularidades de cada empresa.

Esse tipo de contabilidade é ideal para pequenas empresas, principalmente as que não possuem funcionários e que não tem operações complexas.

 

Contabilidade Digital

 

Na contabilidade digital, o sistema ERP é um poderoso aliado. Através de recursos tecnológicos, a sua empresa é integrada ao escritório contábil. Dessa forma, as informações que a empresa alimenta no seu sistema de gestão empresarial, chega para o escritório contábil.

Com isso, o escritório consegue fazer a contabilidade praticamente em tempo real e os relatórios representam realmente a realidade de sua empresa. Nessa modalidade, o contador faz o papel de consultor e as informações se tornam indicadores para a tomada de decisão.

Geralmente, essa modalidade fornece um atendimento multicanal, que pode ser pelos meios tradicionais como telefone, e-mail, mensagens instantâneas e até mesmo o atendimento presencial. Mas também pode disponibilizar atendimento via chat, tickets e até mesmo vídeo-chamada. Além de ser multicanal, você escolhe a forma em que quer se comunicar com o escritório, a sua empresa também recebe uma atenção personalizada.

Com a ajuda da tecnologia, o foco deixa de ser o processo e passa a ser o resultado. Assim, você consegue analisar o que foi feito e planejar os próximos passos de forma mais fácil e assertiva.

Como os sistemas ERP possuem diversos recursos, esse tipo de contabilidade consegue atender com eficiência desde a empresa pequena, com poucas operações simples, até grandes empresas, com grande volume de informação e operações complexas.

 

Qual a melhor contabilidade para a sua empresa?

 

Depois de conhecer um pouco mais sobre as modalidades em que a contabilidade é praticada hoje, você deve estar se perguntando qual é a melhor contabilidade para a sua empresa. Não é mesmo?

A realidade é que cada tipo atende muito bem um tipo de empresa. Se a sua empresa tem poucas operações, não necessita de uma atenção individualizada e você dispõe de tempo para alimentar a plataforma com as informações, a contabilidade online te atenda.

Agora se você tem operações mais complexas e volumosas, demandando um atendimento personalizado, o serviço feito da forma tradicional ou digital é o mais adequado. E se além disso, você quer focar em planejamento e resultado, com certeza a contabilidade digital é a ideal para a sua empresa.

 

A GSi Contabilidade

 

Com cerca de 30 anos de experiência em contabilidade e consultoria, a GSi Contabilidade tem a inovação em seu DNA.

Alinhando a experiência com a inovação, a GSi trabalha em duas frentes, com a contabilidade Tradicional e com a GSi Contabilidade Digital.

Com isso, possui equipes especializadas no atendimento Tradicional e no Digital, trabalhando sempre, independente da modalidade, para a rentabilidade e crescimento saudável de seus clientes.

Tipos de holding

Conhecida por diversos nomes, a Holding pode ser constituída em 2 tipos

Holding mista, pura, de participação, patrimonial, de controle ou administrativa. Esses são alguns nomes dentre os inúmeros que é possível encontrar quando se pesquisa sobre holding.

Mas o fato é que as holdings são empresas que tem como objeto a administração de bens e imóveis e a participação no Capital de outras empresas. Os diversos nomes atribuídos a esse tipo de instituição é devido à finalidade que cada uma delas possui.

Um dos objetivos, que também é uma vantagem, é a proteção do patrimônio, que também dá origem a um dos nomes em que a Holding é conhecida. Você pode saber mais sobre esse e outros benefícios no artigo  “4 vantagens da Holding Patrimonial“.

 

Afinal, com tantos nomes, quais são os tipos de holding que existem?

 

Holding Pura ou Mista

 

Seja para a administração de bens e imóveis e/ou participação no Capital de outras empresas, a Holding pode ser classificada em 2 tipos:

 

  • Holding Pura: quando a empresa exerce apenas a participação no Capital de outras instituições, ela é classificada como pura;
  • Holding Mista: é quando além do seu objeto principal, exerce outras atividades.

 

Uma dúvida muito frequente é se a holding pode exercer outras atividades empresariais. Isso é permitido, porém em alguns casos é aconselhável que ela seja pura, mas é necessário o auxílio de um profissional experiente na área para ter uma consultoria do tipo ideal para cada caso.

 

Tudo sobre Holding

 

Quer saber mais sobre Holding? A GSi Brasil preparou um eBook completo sobre Holding. Lá você vai conhecer todos os objetivos, benefícios e como é a tributação nessas empresas. Clique e baixe!

DCTF Web: conheça mais sobre essa obrigação

Empresas que faturaram mais que 78 milhões, em 2016, têm até o dia 15 de setembro para aderir a DCTF Web – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais Web. Os contribuintes deverão declarar os fatores geradores ocorridos durante o mês de Agosto.

 

A nova declaração vai substituir a GFIPGuia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social – e faz parte de uma série de modificações que irão mudar a maneira em que são feitas as declarações de contribuições e tributos para a Receita Federal.

 

Essas mudanças afetam tanto a rotina de empresários quanto de contadores, exigindo que ambos estejam cada vez mais integrados.

 

O que é a DCTF Web?

 

A DCTF Web é uma declaração que será gerada, automaticamente, a partir do preenchimento das informações no eSocial e/ou no EFD-Reinf, ambos são partes integrantes do projeto SPED – Sistema Público de Escrituração Digital.

 

A declaração ficará disponível no portal e-CAC e o contribuinte poderá visualizar, fazer vinculações de crédito e transmitir. Após a transmissão da declaração será emitido o DARF -Documento de Arrecadação de Receitas Federais.

 

Com exceção do GPS – Guia da Previdência Social – todos os recolhimentos de contribuições previdenciárias serão feitos pelo DARF.

 

E as empresas que faturaram menos que 78 milhões?

 

As demais empresas deverão aderir a declaração em janeiro/2019. E até lá, cabe às empresas cumprirem as etapas anteriores pertencentes ao eSocial, para quando chegar a fase da DCTF Web não haver problemas com o cumprimento da obrigação.

 

A contabilidade parceira da empresa

 

Com tantas mudanças no mundo das obrigações tributárias há a necessidade do escritório contábil e a empresa estarem cada vez mais integrados. Há a necessidade que as informações cheguem de forma rápida e precisa tanto para o contador quanto para o empresário.

 

Além disso, o escritório de contabilidade precisa ter profissionais capacitados para sempre orientar os clientes sobre as modificações e instruí-los como será a adequação a essas modificações.

 

A GSi contabilidade

 

A GSi, além de toda a sua experiência e de seus profissionais especializados, possui um programa de capacitação para seus colaboradores. Semanalmente, os colaboradores participam de cursos sobre a sua área de atuação, ficando sempre atualizados diante de qualquer mudança.

 

Além disso, a GSi Brasil, trabalha com sistemas que fazem com que as empresas fiquem integradas a contabilidade, facilitando a troca de informações e de documentos, a comunicação, proporcionando ao empresário segurança e uma visão mais clara sobre a empresa.

 

 

5 dicas para transformar o seu hobby em negócio

“Trabalhe com o que amas e nunca terás que trabalhar”. Essa frase é muito conhecida e parece um sonho,  mas a realidade é que muitos hobbies podem se transformar em negócios altamente lucrativos, sim.

 

É muito comum encontrarmos histórias de empresários bem-sucedidos que abriram as suas empresas para fazer o que amam e foram vistos até como aventureiros. Com muita paixão e dedicação provaram que é possível ter uma empresa de sucesso trabalhando com seus hobbies.

 

Se você tem uma atividade que ama fazer e acredita que pode ser um negócio lucrativo, listamos 5 dicas para você realizar esse sonho.

 

1 – Verifique a viabilidade

 

É necessário checar a viabilidade de transformar uma paixão em empresa de duas formas diferentes.

 

Primeiro, é preciso avaliar se o seu hobby pode se transformar em sua profissão ou se você gosta dessa atividade apenas porque não tem demanda, prazos e obrigação de fazer.

 

Se você pode tranquilamente transformar essa atividade em profissão, é hora de verificar a viabilidade de sua futura empresa no mercado. E nesses momentos há algumas perguntas que irão te orientar:

 

  • As pessoas compram o que a sua empresa oferece?
  • O mercado tem carência de sua atividade?
  • Como você fará para vender o seu serviço e/ou produto?

 

Essas são algumas das perguntas que você deve se fazer para visualizar quais são as oportunidades e os desafios que vai encontrar com a sua empresa.

 

2 – Planejamento

 

Após verificar que uma empresa que exerce a sua atividade é viável no mercado que vai atuar, o próximo passo é o planejamento. É necessário conhecer à fundo o mercado, o público-alvo, concorrentes e planejar como você vai se posicionar diante de tudo isso.

 

Pesquisa, análise e planejamento de ações. Há questões essenciais que você precisa levantar:

 

  • Há uma demanda do que a sua empresa oferece no mercado?
  • Quais empresas vão concorrer com você?
  • Qual será o seu diferencial diante desses concorrentes?
  • Como que você vai se apresentar no mercado?
  • Quem será seu público-alvo?
  • Como você vai chegar ao seu público-alvo?
  • Quais são os costumes de compra dessas pessoas?
  • Quanto que os seus concorrentes cobram?
  • Quanto você vai conseguir cobrar para ter um preço justo e lucro?
  • Quem será seu fornecedor?

 

E desses questionamentos vão surgindo outros e no fim todas as informações servirão de guia para as ações de sua empresa.

 

3 – Estude o seu hobby

 

Depois de checar a viabilidade e fazer o planejamento, é hora de estudar mais o seu hobby. E o que aprimorar, você já vai conseguir identificar nos dois processos anteriores.

 

Para aprimorar os pontos que necessitam de atenção, pode-se fazer cursos, conversar com pessoas que atuam na área, entre outras coisas.

 

4- Estude gestão

 

E da mesma forma que você vai estudar o seu hobby, é necessário estudar gestão. Por mais que a sua empresa comece pequena, a ideia é que ela cresça e, como empresário, é necessário saber gerenciar e administrar desde os primeiros passos.

 

5 – Escolha bem os seus parceiros

 

Durante toda a trajetória de sua empresa, até mesmo antes da abertura, você precisará escolher parceiros. Você precisará escolher fornecedores, escritório contábil e outros prestadores de serviços.

 

Leve sempre em consideração o que a empresa pode fornecer para a sua, quais são as vantagens. Escolha parceiros que agregam à sua empresa.

 

Abra a sua empresa

 

Ao ler dessas 5 dicas, você tem certeza de que é a hora transformar o seu hobby em negócio? Para isso, separamos 3 conteúdos que vão te auxiliar nesse processo.

 

  1. Dicas para ter a sua própria empresa  
  2. O que você precisa definir antes de abrir sua empresa
  3. Passos para abrir uma empresa

É fundamental conhecer bem o local que vai abrir a sua empresa e identificar todos os fatores que podem influenciar a rentabilidade dela. Com uma boa pesquisa, um plano de negócios bem elaborado e o apoio de profissionais experientes, a abertura de sua empresa será mais fácil e rápida, no caminho da rentabilidade e do crescimento dela.

[button link=”http://www.gsibrasil.net/servicos/abrir-empresa/” newwindow=”yes”] Abra a sua empresa com a GSi[/button]

4 coisas que os relatórios contábeis falam sobre a sua empresa

Se você pensa que o escritório de contabilidade é apenas para enviar impostos para pagar e relatórios que vão parar na gaveta, está muito enganado. O contador pode exercer um papel muito mais importante para a sua empresa.

 

E os relatórios contábeis, que por muitas vezes não são vistos como importantes, dizem muito sobre a sua empresa e podem auxiliá-lo a identificar problemas e também facilitar a tomada de decisões, que geralmente é muito difícil. Eles são indicadores de como está a saúde financeira de sua instituição.

 

Saiba 4 coisas que você consegue identificar sobre a saúde financeira de sua empresa nos relatórios contábeis.

 

Prever o capital de giro

No Demonstrativo de Fluxo de Caixa, ao fazer a projeção com base nos exercícios anteriores, é possível prever o Capital de Giro. E, com isso, a tomada de decisões fica muito mais fácil e assertiva.

 

Identificar a margem de lucro

 

Muitos empresários trabalham com uma estimativa de margem de lucro, não sabendo ao certo o quanto lucram. No balancete, uma das coisas que é possível identificar é a margem de lucro. Além disso, há muitos outros itens que podem ser analisados nesse relatório.

 

Identificar ralos de dinheiro

 

Para onde está indo o dinheiro? Essa é uma pergunta muito comum quando se há um bom número de vendas, mas no fim do mês não resta tanto dinheiro. Com os relatórios contábeis, é possível identificar quais são os ralos de dinheiro.

 

Prever problemas financeiros

 

Os relatórios contábeis, como o Balanço Patrimonial, fazem o diagnóstico da saúde financeira da empresa. Assim, é possível prever problemas financeiros antecipadamente e ter tempo para reverter a situação.

 

O que mais é possível identificar nos relatórios contábeis?

 

Além dos itens listados, é possível diagnosticar muitos outros fatores sobre a saúde financeira da empresa.

 

No eBook, “Saúde financeira pelos indicadores contábeis” a GSi listou o que cada relatório contábil mostra sobre a sua empresa. Baixe gratuitamente e saiba como os relatórios contábeis podem se tornar ferramentas de gestão.

Tudo o que você precisa saber sobre contabilidade digital

Com os avanços tecnológicos, muitas tarefas diárias das empresas se modificaram. Não é mais necessário ir até o banco para pagar uma conta ou depositar o pagamento dos funcionários. As inúmeras ligações ao dia se transformaram em e-mails e, recentemente, em mensagens no WhatsApp.

 

As tecnologias chegam ao mundo empresarial para otimizar o tempo e proporcionar mais segurança nas tarefas diárias. E com a contabilidade não seria diferente, novas tecnologias surgiram para, além de outros benefícios, dar mais segurança para os empresários.

 

Com isso, surgiu o termo contabilidade digital, que você já deve ter ouvido por algumas vezes. Veja tudo que você precisa saber sobre contabilidade digital.

 

Como é feita a contabilidade digital?

 

Muito se engana quem acha que a contabilidade digital é feita por automação do dados, sem a intervenção humana.

 

A contabilidade digital utiliza ferramentas online, como os sistemas ERP, que integram a empresa com o escritório contábil. Assim, as informações são trocadas de forma mais ágil e com muita segurança.

 

Esses sistemas possuem ferramentas que facilitam a gestão do empresário, que ao registrar as movimentações de sua empresa, tem todo o controle financeiro e operacional de sua instituição. E, além disso, as informações que são pertinentes ao setor contábil, ficam disponíveis para o acesso do contador.  

 

Assim, a empresa economiza o tempo que destina a separar documentos e tem o retorno mais rápido do escritório contábil.

 

Quais são os benefícios?

 

Os benefícios de optar pela contabilidade digital são inúmeros, listamos alguns deles no texto: 6 benefícios da contabilidade digital.

 

Entre as principais vantagens está que a empresa ganha tempo, consegue focar mais nos resultados e ainda tem o contador como consultor de seu negócio.

 

Como ficam as obrigações acessórias?

 

Com as informações destinadas ao contador, ele consegue cumprir as obrigações acessórias e enviar mais rapidamente para a empresa as guias e documentos.

 

Como escolher uma contabilidade digital?

 

Ao procurar uma contabilidade digital para sua empresa, analise como os serviços serão prestados, qual será o apoio e benefícios que o escritório contábil proporciona para a sua empresa.

 

Também é necessário dar atenção as ferramentas que o escritório utiliza e no impacto que elas proporcionam para a rotina de sua empresa. Lembre-se, toda ferramenta há o esforço da implantação e após essa fase, ela impacta positivamente nas tarefas diárias.

 

Nessa fase da implantação das ferramentas é preciso do total apoio da empresa prestadora dos serviços contábeis, assim garantirá que todo o processo será feito da forma correta.

 

Como é feito o trabalho de contabilidade digital pela GSi?

 

A GSi Brasil trabalha com ferramentas que aproximam o escritório dos clientes. Atuando com sistemas ERP e também com ferramentas de integração entre o sistema de gestão utilizado pela empresa e o escritório.

 

Unindo tecnologia com experiência, a GSi Brasil trabalha pela rentabilidade e crescimento saudável de seus clientes.  

 

Novas mudanças no cronograma de implantação do eSocial

Cronograma teve alterações na data de início para empresas do Simples, incluindo MEI, e para o setor público

Na última sexta-feira, dia 05, o Comitê do eSocial publicou a Resolução CDES nº 05 no DOU, definindo novos prazos para fazer o envio de eventos no programa. A nova norma atende solicitações de entidades representativas dos contribuintes e têm o objetivo de deixar o processo de implantação do sistema mais aperfeiçoado.

Um diagnóstico com as dificuldades enfrentadas pelas empresas para ajustar os processos e sistemas com o novo modelo de informar os dados, foi feito após a conclusão da primeira etapa, que envolveu 13.115 empresas, pertencentes ao primeiro grupo.

Veja como fica o cronograma:

Evento 1º Grupo 2º Grupo 3º Grupo 3º Grupo
Tabela 08/01/2018 16/07/2018 10/01/2019 01/2020
Não-periódico 01/03/2018 10/10/2018 10/04/2019 Resolução a  ser publicada
Periódicos 08/05/2019 10/01/2019 10/07/2019 Resolução a  ser publicada
Substituição GFIP –  CP 08/2018 04/2019 10/2019 Resolução a  ser publicada
Substituição GFIP – FGTS 11/2018 04/2019 20/2019 Resolução a  ser publicada
SST 07/2019 01/2020 07/2020 01/2021

Os grupos são definidos pelo faturamento no ano de 2016, pelo regime tributário, entre outras classificações. São eles:

  • 1º GRUPO – entidades empresariais com faturamento no ano de 2016 acima de R$ 78.000.000,00;
  • 2º GRUPO – entidades empresariais com faturamento no ano de 2016 de até R$ 78.000.000,00 (setenta e oito milhões) e que não sejam optantes pelo SIMPLES;
  • 3º GRUPO – empregadores optantes pelo Simples Nacional, empregadores pessoa física (exceto doméstico), produtor rural PF e entidades sem fins lucrativos
  • 4º GRUPO – entes públicos e organizações internacionais:

 

O eSocial

 

O eSocial foi instituído com o Decreto 8.373/14. O sistema traz uma nova forma, unificada, de apresentar informações Trabalhistas, Fiscais e Previdenciárias.  Ao todo, são mais de 40 tipos de arquivos com informações detalhadas que unificam 15 obrigações, que são:

  • GFIP – Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social;
  • CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para controlar as admissões e demissões de empregados sob o regime da CLT;
  • RAIS – Relação Anual de Informações Sociais;
  • LRE – Livro de Registro de Empregados;
  • CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho;
  • CD – Comunicação de Dispensa;
  • CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social;
  • PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário;
  • DIRF – Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte;
  • DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais;
  • QHT – Quadro de Horário de Trabalho;
  • MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais;
  • Folha de pagamento;
  • GRF – Guia de Recolhimento do FGTS;
  • GPS – Guia da Previdência Social.

 

Mudanças com o eSocial

 

Devido a unificação das obrigações e ao cruzamento de dados, o eSocial identifica mais facilmente informações desencontradas. Com isso, as empresas precisam adaptar a rotina para comunicar as ocorrências, em relação aos colaboradores, no prazo correto.

Veja alguns exemplos:

  • Admissão : As admissões devem ser informadas até o dia anterior a contratação dos funcionários.
  • Demissão: Em caso de desligamento com aviso prévio indenizado, a empresa tem até 10 dias após a rescisão para informar. Já quando o aviso prévio cumprido pelo empregado, a informação deve ser feita até um dia após a ocorrência.
  • Alterações salariais: devem ser informadas até o dia posterior a ocorrência e antes do envio de dados seguintes da remuneração do trabalhador.
  • Jornada de trabalho: deve ser cadastrada juntamente com a função e salário do empregado. Qualquer alteração deve ser informada no momento da ocorrência.

 

A sua empresa está preparada para o eSocial?

 

Com todas as mudanças que o eSocial traz para os empregadores, a pergunta que fica é: a sua empresa está preparada para o eSocial? O fato é que nesse momento de implantação do eSocial e da mudança de rotina dos profissionais de Recursos Humanos das empresas, as instituições devem estar alinhadas com a contabilidade.

Também, é de extrema importância que as empresas forneçam aos seus colaboradores a participação em cursos e palestras sobre o tema.

 

4 dicas para definir o orçamento anual de sua empresa

Com a aproximação do final do ano, muitos empresários começam a se preocupar com o planejamento financeiro do próximo período. Traçar os próximos passos faz com que os gestores tenham uma percepção mais assertiva da realidade financeira da instituição, que estipulem metas, objetivos e desenhem um caminho para seguir.

Exatamente entre os meses de Outubro e Novembro é a época ideal para planejar o orçamento anual. Por isso, separamos 4 dicas para você montar o seu.

1 – Alinhe com os objetivos a longo prazo

Antes de tudo é necessário relembrar os seus objetivos de médio a longo prazo. Onde você deseja que sua empresa esteja daqui a 5 anos? E daqui a 3 anos?

Pensando nesses prazos, é necessário alinhar qual é o papel do próximo ano no seu negócio. Assim, é possível detectar a quantia que precisará investir e definir o papel de cada setor no plano.  

2 – Pense nos imprevistos

Imprevistos acontecem dentro e fora da sua empresa. E eles podem afetar e muito o seu planejamento. Muitas coisas não são previsíveis, mas desenhando vários cenários, com oportunidades e dificuldades, todo o plano será mais efetivo.

Pense algumas situações:

  • Se tudo ocorrer como planejado, qual é a sua expectativa de receita e quais serão seus gastos?
  • Se cair muito as suas vendas ou perder grandes clientes, qual é o faturamento que precisa para cobrir as suas despesas?
  • Se houver um aumento significativo na demanda, o que você precisará investir?

Dessa forma, diante de qualquer adversidade a sua empresa estará preparada e as suas tomadas de decisão serão mais assertivas.

3 – Avalie o ano que está terminando

Além de pensar para onde o seu negócio pretende ir, é imprescindível olhar pelo retrovisor o caminho que percorreu esse ano e até o anterior.

Isso faz com que você entenda as oscilações do seu mercado e crie estratégias para otimizar o seu orçamento no próximo ano.  

4 – Defina metas para cada área

É necessário definir o papel de cada setor no plano, mas também é primordial traçar metas para cada área. Só assim é possível verificar o andamento do planejamento durante o período.

O acompanhamento é essencial e com ele ações de correção poderão ser feitas.

Faça o planejamento do orçamento anual de sua empresa

Com o planejamento do orçamento anual, você terá uma estimativa da receita, da despesa e também da rentabilidade de sua empresa no próximo ano.

E para que ele dê certo, nós temos uma dica extra: compartilhe com a sua equipe. Assim, envolvendo as pessoas que vão trabalhar com o seu plano, você terá maior comprometimento de todos.

5 razões para elaborar um Plano de Negócios

Onde você deseja estar daqui a um, três e cinco anos? Provavelmente, nos três prazos você deseja alcançar objetivos diferente. Saber em que lugar quer estar é essencial, mas ter o direcionamento de como chegar e o que vai encontrar no caminho faz toda diferença para ter ações mais assertivas.

 

Planejamento é a palavra! Ainda mais quando o assunto é negócio. Principalmente em um país que seis a cada dez empresas fecham antes de completar os seus primeiros 5 anos.

 

O fato é que elaborar um Plano de Negócios é uma etapa primordial quando deseja abrir ou ampliar as operações de uma empresa. Por isso, listamos 5 razões para elaborar um Plano de Negócios

1 – Entender o mercado

 

Em todas as áreas, entender o mercado que atua é fundamental. Conhecendo os concorrentes, os clientes e fornecedores, proporciona um norte para a sua empresa.

 

2 – Identificar desafios e oportunidades

 

Ao analisar o mercado e os concorrentes, é possível identificar todos os desafios a enfrentar e as oportunidades. Dessa forma, pode-se traçar como se posicionar.

 

3 – A idéia versus a viabilidade

 

Abrir uma empresa ou ampliar os negócios é um grande passo. Por isso, muitas vezes surge a pergunta: minha ideia é realmente boa? O Plano de Negócios responde esse questionamento e com ele é possível verificar a viabilidade da ideia.

 

4 – Se preparar para os diversos cenários

 

A sua empresa pode encontrar os diversos cenários no mercado, os mais favoráveis e os desafiadores. No Plano de Negócios, ao pensar nesses diversos cenários, são traçadas ações que devem ser feitas em cada situação. Assim, é possível se preparar e trabalhar habilidades que serão exigidas nessas circunstâncias.

 

5 – Saber se diferenciar

 

Com todas as análises, a forma de como vai se diferenciar no mercado fica evidente. Assim, pode-se traçar estratégias mais assertivas.

 

Elabore o seu Plano de Negócios

 

Após conhecer 5 das diversas razões para elaborar um Plano de Negócios, está decidido a fazer o seu? Para te ajudar nessa etapa, preparamos o e-book: Plano de Negócio: O guia prático para elaborar o seu.

 

[button link=”http://bit.ly/2HWK5Ns” newwindow=”yes”] Baixe Gratuitamente [/button]